top of page

Diário COP28, 8 de dezembro de 2023, Especial Carbon Credit Markets.

Notícias de Dubai. Sinais. Cada vez mais claros.


Antes de começarmos

Todos os dias, a caminho do Metro que nos leva ao local da COP28, passamos pelo Mall of the Emirates. Sempre lotado e visivelmente com pessoas de todas as partes do mundo. Você vê, sente e respira diversidade. E agora começamos a notar algumas lojas decoradas para a época, mais luzes, até com árvores de Natal. Dubai é uma cidade cosmopolita.


E no que diz respeito aos Emirados Árabes Unidos (EAU), o fim de semana de sexta a sábado mudou para sábado a domingo, numa reforma histórica que entrou em vigor em janeiro de 2022.


Já lá na própria COP28, por um lado, há uma sensação de que a audiência está diminuindo lentamente, embora os ministros do clima estejam por perto com o objetivo de finalizar todos os acordos possíveis. Por outro lado, um evidente aumento de jovens, inclusive com demonstrações criativas de vez em quando. Provavelmente normal, especialmente nestes tempos de ansiedade crescente.


O dia de hoje.

O dia começou com a “Plenary meeting of the COP/CMP/CMA”, plenária com a tarefa de organizar os trabalhos, incluindo as sessões dos órgãos de apoio. Sobre os diferentes significados de COP, CMP e CMA, o Ministério das Relações Exteriores do Japão tem esta explicação muito clara.


O Presidente da COP28, Al-Jaber, abriu a sessão plenária e foi seguido por Simon Stiell, Secretário Executivo da ONU para as Alterações Climáticas, com as seguintes observações.


“Se não dobrarmos a curva de emissões, chegaremos a um ponto de inflexão. 1,5°C é a meta. Não é uma escolha. É um ponto sem volta. A transição que temos de fazer agora não é nada comparada com aquela a que poderemos ser forçados. Nós temos a tecnologia. Ainda temos uma semana. Temos que ter um texto forte sobre adaptação. As metas baseadas na ciência devem ser a nossa estrela guia. Já conseguimos muito na primeira semana, por isso temos que manter esse ímpeto.”


Em seguida, a palavra é dada a vários países. De vez em quando citando G77+China, um bloco de negociação na COP. Dentre eles a Colômbia, com um discurso que vale a pena citar:


“A adaptação é possível até 1,5°C. Mais do que isso será perdas e danos para todos. A Colômbia exporta carvão e petróleo. A nossa preocupação não é, portanto, apenas com a transição energética. Trata-se de transição econômica. Risco financeiro, rebaixamentos da nota de crédito. A ambição não pode ser um castigo”.


Segue-se uma salva de palmas única, longa e forte. Tanto tempo que o presidente da COP, Al Jaber, teve que interrompê-la para dar a palavra ao próximo orador (Índia).



Então nos mudamos para “UNFCCC: Next round of NDCs”.


Perumal Arumugam (secretariado da UNFCCC) fez os comentários de abertura, antes de Mary Awad Menassa (UNFCCC) assumir como moderadora, painel com três países (Brasil, Indonésia e Tunísia) e três entidades:

  • Indonesia, Emma Rachmawaty (Head of Task Force for Second NDC, Ministry of Environment and Forestry)

  • Tunisia, Mohamed Zmeril (Head National Head Change Coordination Department, Ministry of Environment)

  • (O Brasil deveria ser representado pela Sra. Ana Toni, Diretora de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente, que não compareceu. Um representante chegou cerca de 10 minutos após o início do painel).

  • Cassie Flynn (Global Director of Climate Change UNDP)

  • Mariana Panuncio-Feldman (Director, Country Engagement NDC Partnership)

  • Andrea Camponogara (Regional Collaboration Centres Global Lead, UNFCCC Secretariat)


Alguns insights realmente excelentes.


  • Tunísia: a primeira NDC foi top down, para adesão e conscientização setorial. Nova versão, maior adesão e agregar protagonismo aos jovens.

  • Mariana: “As NDC não devem ser vistas apenas como um documento, mas como uma referência para investimentos públicos e privados”. “A próxima meta da NDC é para 2035. Se olharmos para os dois últimos anos, como avaliar os 13 anos à frente?” Podemos não ter as respostas. Precisa de colaboração.

  • Andrea: A UNFCCC não trabalha apenas com NDCs, mas também com “Adaptação, Perdas e Danos, Mercados de Carbono”. O contato entre os países é fundamental. “Vemos muitas ações do setor privado NÃO refletidas na NDC do país. Esteja ciente: há líderes no setor privado”. “Precisamos injetar otimismo nos NDCs”.


E três perguntas do público, resumindo todas as respostas:

  1. Oceano. As considerações dos países nas suas NDC anteriores limitaram-se aos manguezais e aos ecossistemas costeiros. Foi citado desconhecimento de estudos científicos. Nesta área, “as discussões globais precisam de mais palco, disponibilidade de dados, capacitação”.

  2. Agricultura. Um setor super significativo. “Importante em todos os lugares, como os oceanos. Adaptação e mitigação convergem na Agricultura”.

  3. Integração subnacional. Apesar dos desafios (políticos), “integração vertical é crítica. Resolver questões financeiras, mandato e relatos.


Foi um painel importante. A Presidência da COP28 enviou Ghanim Hableel (UAE Senior Climate Mitigation and Response Measures) para o encerramento e considerações finais.



Então seguimos para a apresentação “Brazilian emissions: on track to COP30? (Imaflora, Amazon, SOS Atlantic Forest Foundation, OC)”. Vários palestrantes discutiram a sexta posição do Brasil como emissor global.


Inicialmente foram apresentados vários gráficos e estudos (a 11ª Collection 1970-2022), subsidiando uma perspetiva de “ambição aumentada”. Em outras palavras, o que fazer separadamente em termos de (a) desmatamento da Amazônia, (b) desmatamento de outros biomas, (c) outras emissões e (d) remoções (terras protegidas) para ter uma meta mais ambiciosa? Interessante. Fonte de informação aqui. https://seeg.eco.br


Depois uma apresentação da Fundação SOS Mata Atlântica, com um cenário relativamente positivo, diversas áreas de regeneração constatadas (conforme publicado pela Nature em 2020). E a crença de que o desmatamento zero será alcançado primeiro neste bioma, a Mata Atlântica. É o único bioma protegido por lei especial, além de ser patrimônio nacional. Leia mais aqui. https://www.sosma.org.br/iniciativas/atlas-da-mata-atlantica/


Em seguida, “Cerrado: Desafios para reduzir as emissões do uso da terra no segundo maior bioma do Brasil”. Com vários alertas:

  • Desmatamento: cresceu 3% no Cerrado (enquanto reduziu 40% na Amazônia).

  • Dados ruins (limitação do CAR): 73% do cerrado é “presumivelmente de uso privado”.

  • Lei: permite desmatamento de 80% no Cerrado (e apenas 20% na Amazônia).


Teve mais, mas paramos por aqui. E seguimos para o próximo compromisso.



Press Conference: UNCTAD Climate and Development 2023


Representantes das Nações Unidas falando sobre Comércio e Desenvolvimento, assuntos relacionados com finanças e apoiando o G77+China, cujo líder Pedro Manoel Moreno era esperado na conferência de imprensa (mas não conseguiu comparecer).


Foram distribuídos três artigos impressos (leremos mais tarde). Pode ser que exista versão digital no site (https://unctad.org/publications). Aqui os títulos:

  •  Taking Responsibility. Towards a Fit-for-Purpose Loss and Damage Fund

  • Report Summary. Considerations for a New Collective Quantified Goal. Bringing accountability, trust and developing country needs to climate finance.

  • Report Summary. Making sense of Article 2.1(c). What role for private finance in achieving climate goals?


Para referência, o Artigo 2.1 (c) apela a “tornar os fluxos financeiros consistentes com um caminho rumo a baixas emissões de gases com efeito de estufa e a um desenvolvimento resiliente ao clima”.


O que foi dito (nos impressionou!):

  • Sistema financeiro global: “Insuficiente, ineficiente e injusto”. Precisa ser “melhor, maior e mais ousado”. É necessária uma reforma na arquitetura financeira internacional.

  • Perdas e Danos: “gostaríamos de ver US$ 150 bilhões por ano.

  • (*) Referência (da falta de ambição do Fundo de Perdas e Danos): Plano Marshall dos EUA após a Segunda Guerra Mundial para 16 países da Europa.

  • Perdas e Danos: precisa passar de uma questão política para uma questão técnica. Os países em desenvolvimento solicitam um órgão de governança específico, para tratar dos próximos passos.

  • O mundo precisa de um (novo) mecanismo internacional independente para resolver esta situação (“fardo”).

  • “Percebemos que diversos países - totalizando 3 bilhões de habitantes - enfrentam dificuldades com o pagamento de débitos, dificultando, por exemplo, investimentos na educação.”


(*) Na verdade, Carbon Credit Markets verificou e encontrou esta referência no portal do GMF (German Marshall Fund): “O Plano Marshall dedicou uma quantidade sem precedentes de ajuda externa – 13,2 bilhões de dólares, mais de 130 bilhões de dólares em dólares de hoje, ou 5,2% do PIB dos EUA” . Por que você – nosso leitor – não verifica quanto é o PIB dos EUA atualmente e calcula quanto seria 5,2% dele? Apenas como referência.


Wow.


E o último do dia, o painel “Uniting for Climate Actions: Calling for International Technology and Innovation”, na mais chique das plenárias, o Al Waha Theater (foto). Com as ponderações finais do Embaixador Majid Al Suwaidi, Diretor Geral da COP28.


  • Como acelerar a transição energética? Tecnologia.

  • Como transformar a arquitetura internacional financeira? Tecnologia.

  • Como chegar às pessoas de forma inclusiva? Tecnologia.



Antes de encerrarmos o dia.

Em nosso Diário COP28 de 5 de dezembro, citamos Ross McKenzie (Drax Group), palestrante de “Capture de Opportunity: The role of carbon removals in addressing the global stocktake” por ter dito sobre o CO2 que “99% é removido pelas árvores. E apenas o resto por Remoção Direta (DR) e Bioenergia com captura e armazenamento de carbono (BEECS)”. Um de nossos leitores pediu uma referência sobre essa citação. Graças ao LinkedIn entramos em contato com Ross, que gentilmente complementou:


"Bom ouvir de você. Sim, o número é na verdade de 99,9% e o número vem da Universidade de Oxford num relatório publicado este ano”. Então, aqui está o relatório para todos os nossos leitores. https://www.smithschool.ox.ac.uk/news/new-report-reveals-large-gap-co2-removal-needed-limit-global-warming



Pessoas e paparazzi

Dois nomes são ouvidos com uma frequência cada vez maior nos últimos dias da COP28. Um deles é William Ruto, o presidente queniano, que da África parece emanar um novo tipo de liderança entre os países em desenvolvimento. O outro é Pedro Luis Pedroso Cuesta, cubano, presidente do G77+China, um bloco significativo e ativo que é citado repetidamente nas principais sessões plenárias.


Por último, mas não menos importante, ontem, aproveitando o recesso da COP28 com um seleto grupo de latino-americanos e do Oriente Médio, participamos da vernissage “Art with Climate Conscience Dubai” no Sui Mui - Westin Mina Seyahi Beach Resort & Marina. Nossas hostess foram Karla https://www.artevivoglobal.com e Sigrid https://indigo-life.org/blue-mind/. Compartilhamos os links para suas iniciativas de propósito.



Our key takeaways


Além dos manguezais. Há muito mais sobre o papel do oceano nas alterações climáticas e no nosso futuro. Tudo isso deve ser adicionado às NDCs.


“Existem líderes no setor privado” (que também não devem ser esquecidos nas NDC). “Precisamos injetar otimismo nas NDCs”.  Andrea Camponogara, Regional Collaboration Centres Global Lead, UNFCCC Secretariat.


“Juntos surpreendemos os que duvidavam e inspiramos os otimistas. Trabalhando juntos, podemos ajudar a sustentar o nosso planeta.” Pelo Presidente da COP28Al-Jaber.


“Ambição não pode ser castigo”, Colômbia.


“A transição que temos de fazer agora não é nada comparada com aquela a que poderemos ser forçados”. Simon Stiell, UN Climate Change Executive Secretary.


Plano Marshall dos EUA como referência (para a atual falta de ambição de Perdas e Danos): foi de 5,2% do PIB dos EUA após a Segunda Guerra Mundial. Quanto seria hoje em dia?



COP28 Al Waha Theatre. Photo by CarbonCreditMarkets
COP28 Al Waha Theatre. Photo by CarbonCreditMarkets

 CARBON CREDIT MARKETS

“Nothing in life is to be feared, it is only to be understood. Now is the time to understand more, so that we may fear less.”

“I am among those who think that science has great beauty”

Madame Marie Curie (1867 - 1934) Chemist & physicist. French, born Polish.

bottom of page