top of page

Os alimentos e as mudanças climáticas.

Hoje é 2 de janeiro de 2024.


Já pensou que o aquecimento global que tem alterado os padrões climáticos em todo o planeta pode levar à extinção de algum de seus alimentos favoritos e básicos?


Bananas, abacates, uvas (vinhos), cafés, cacau (chocolates), e talvez arroz, por exemplo. Pelas temperaturas mais altas e questão de água. Veja aqui o acompanhamento que o World Bank faz sobre essas e outros tipos de commodities.


À medida que o clima muda, também mudará a capacidade dos fazendeiros de cultivar suas safras e alimentos nas quantidades a que muitos de nós estamos acostumados hoje. Isso significa que nos próximos anos muitos dos produtos que estamos acostumados a ver nos supermercados hoje podem começar a desaparecer. Ou encarecer de forma contínua.


Lembre-se inclusive que a população na Terra era de cerca de 2 bilhões de habitantes por volta de 1940 e hoje é 4 vezes maior. Para o mesmo tamanho de planeta, nosso único "Planeta A".


Vejamos alguns casos, citados em uma matéria da Euronews.


Café. A bebida mais popular do mundo, 2 bilhões de xícaras consumidas diariamente. Redução da áreas favoráveis ao cultivo e altas temperaturas favorecendo certos tipos de pestes.


Cacau (chocolate). Vide história por detrás da imagem abaixo. Condições de cultivo muito particulares, especialmente temperatura.


Banana e Abacate. Ambas frutas muito populares e importantes fontes alimentares de potássio. São grandes desafios tanto a questão da água, da faixa de temperatura ideal, quanto a disponibilidade de áreas de cultivo na mesma velocidade do crescimento populacional (citado acima). Além de certos tipos de pestes que se desenvolvem em altas temperaturas, especialmente em monoculturas.


Uvas (vinhos). Leia por exemplo esses artigos:


Por mais que se fale na necessidade urgente da transição energética, "nas entrelinhas" a preocupação maior está na água e nos alimentos, algo que afeta todos os seres vivos, independentemente de ser um país grande, cheio de indústrias e florestas, ou pequeno, como uma ilha tropical turística ou desabitada no Alaska. Relembre o takeway de nosso primeiro diário da COP-28 "Diário COP28, Especial Carbon Credit Markets: 30 de novembro de 2023". Aliás os takeways diários resumem muito dessas "entrelinhas" de durante a COP-28, permitindo nossos leitores focarem não nas questões, mas "no foco das questões".


Por outro lado, e não menos importante, o aquecimento global pode abrir novas fronteiras agrícolas. Nunca pensou a respeito? Então relembre nosso post de setembro 2023 "Carbon World News: Canadá e Federação Russa".


E por último algo para você pensar: qual a quantidade de água necessária na criação de um único frango, e por consequência num filé ou nuggets? E entre a proteína e a água, o que valia mais na década de 1940? E daqui há 10 anos?


Clique na imagem abaixo para um artigo da Euronews de setembro de 2021, ainda bem relevante. (essa matéria é uma atualização da que postamos originalmente naquela época).


Sobre a imagem, trata-se de foto de Carbon Credit Markets da última COP-28. Uma barra de chocolate de 100g, em cujo rótulo constava:


“The Change Chocolate. Armazene no máximo 1,5°C. Este chocolate foi produzido a 1,2°C/420 ppm*. Por que o mundo precisa de um trilhão de árvores. Leia dentro”. E dentro, um texto interessante, com referências ao seguinte portal: www.plant-for-the-planet.org . "Diário COP28, 9 de dezembro de 2023, Especial Carbon Credit Markets."


* Nota. 1,2°C refere-se a quanto estamos relativamente à meta do Acordo de Paris ("...hold global temperature increase to well below 2°C above pre-industrial levels ...") e 420 ppm indica o nível atual da concentração de CO2 na atmosfera.





 CARBON CREDIT MARKETS

“Nothing in life is to be feared, it is only to be understood. Now is the time to understand more, so that we may fear less.”

“I am among those who think that science has great beauty”

Madame Marie Curie (1867 - 1934) Chemist & physicist. French, born Polish.

bottom of page