Guia para compra responsável de créditos REDD+ no Brasil

O objetivo deste guia elaborado pela Aliança Brasil NBS é apoiar estratégias corporativas de compensação de emissões que incentivem a redução do desmatamento e o fomento a uma nova economia da floresta em pé. O REDD - Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação - é um mecanismo oficial e reconhecido pela ONU como importante instrumento para atingir as metas globais de redução de emissões de GEE, Gases de Efeito Estufa. Considerando o papel da conservação de estoques de carbono florestal, manejo sustentável de florestas e aumento de estoques de carbono florestal, a sigla "ganha" o sinal +, daí o REDD+.


Com o crescimento tanto das metas corporativas de redução de emissões quanto do mercado voluntário de carbono, torna-se importante definir pontos chave para uma compra responsável desse tipo de créditos de carbono. Estes pontos chave foram organizados e apresentadas no relatório, no formato de perguntas orientadoras sobre os seguintes assuntos do projeto REDD+ em análise:


  1. Gestão de carbono na sua empresa

  2. Entidade responsável

  3. Plataforma de registro do projeto

  4. Impactos e certificações adicionais

  5. Estratégias de conservação florestal

  6. Aspectos técnicos

  7. Precificação

  8. Elementos de comunicação


A Aliança Brasil NBS é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, e conta, entre os seus associados e membros fundadores, com Agrocortex, Bioassets, Biofílica, Carbonext, Ecosecurities, BVRio, FAS, First Climate, IDESAM, Mirova Natural Capital – Althelia Funds, Permian, Sustainable Carbon e South Pole.


Clique na imagem abaixo para acessar o relatório (mediante breve cadastro) e ler muito mais a respeito, inclusive sobre as mais de 25 empresas que apoiaram sua elaboração.


Lembramos que há dois dias propagamos outra referência bem útil, o relatório técnico "Visão Geral do Mercado Internacional de Carbono"pelo Fundo Vale / Ecosecurities.



 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.