ESG no topo da lista da educação corporativa

Um novo estudo patrocinado pela Diligent Institute "Director education and training: Ensuring the board has what it needs" foi publicado pela da Corporate Secretary no último dia 4 de novembro. E hoje, 9 de novembro, começa o 23o. Congresso IBGC Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, referência nacional e internacional em governança corporativa. O tema do congresse será "Governança de impacto | As melhores práticas do amanhã".


Segundo a pesquisa, a questão ESG - ambiental, social e de governança - já representa um dos principais tópicos de educação corporativa. De acordo com 80% dos 226 participantes da pesquisa, seu Conselho já tem sido treinado em questões específicas de ESG, indicando que essas questões estão cada vez mais presentes no dia a dia das partes interessadas.


Governança corporativa foi o próximo tópico educacional mais citado, seguido por segurança cibernética e conformidade/regulamentação. Obviamente, constatou-se um maior engajamento por parte das empresas maiores.


E no Brasil ? Como estarão essas questões ? Veja abaixo alguns dos painéis do 23o. Congresso IBGC citado acima, e que vai até amanhã.

  • ESG - Responsabilização dos conselheiros e Casos práticos de responsabilização dos conselheiros, por Richard Blanchet

  • Sustentabilidade: o que conselheiros(as) precisam saber sobre supervisão e estratégia ESG, Masterclass Diligent

  • Governança climática e mercado de carbono, por Nelmara Arbex

  • Governança de stakeholders: desenvolvimento sustentável de comunidades, com Naiara Bertão

  • Sustentabilidade: o que conselheiros(as) precisam saber sobre supervisão e estratégia ESG, com Michelle Squeff

  • O futuro do reporte ESG: transparência e integração, com Vania Borgerth

E muito mais. Clique aqui para mais informações sobre o Congresso do IBGC.


E na imagem abaixo para acessar o artigo e pesquisa do Diligent Institute (em inglês) mencionados acima.





 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.