Due diligence de créditos de carbono: 7 passos para compensações de alta qualidade

A demanda por créditos de carbono disparou. Somente em 2021, os mercados voluntários de crédito de carbono praticamente triplicaram de tamanho. Mas os Créditos Voluntários de Carbono (VCMs) não são regulamentados, o que torna difícil para as organizações verificarem a legitimidade dos créditos individuais. E isso é importante, porque investir em compensações de baixa qualidade pode acabar "macular" a reputação das empresas e, pior, ter pouco impacto no clima.


Sylvera - uma plataforma de inteligência para ajudar a avaliar e investir em créditos de carbono de alta qualidade - recentemente explorou sete fatores-chave a serem considerados ao realizar a devida diligência em créditos de carbono. Aqui estão eles:


  1. Siga a hierarquia de mitigação. Apenas compense (ou seja, invista em créditos de carbono) depois de mitigar emissões adicionais e reduzir as do processo existente.

  2. Qualidade sobre quantidade. Correspondência real entre crédito e neutralização. Sinergia entre as partes, quem compra e quem vende. Benefício a longo prazo. E benefícios adicionais (por exemplo, biodiversidade).

  3. Conheça o seu projeto. E evite o "greenwashing"

  4. Verifique e use registros confiáveis ​​do setor, como Gold Standard Impact Registry, Climate Action Reserve (CAR) e American Carbon Registry (ACR)

  5. Compreender a legislação e as implicações das regulamentações, por exemplo. SEC, IC-VCM, VCMI, ISSB e TNFD

  6. Custo e oferta. Oferta e a demanda estão atualmente desconectadas, o que exige atenção especial.

  7. Risco. Utilize ferramentas de due diligence de terceiros.


Clique abaixo para ler o artigo completo da Sylvera, incluindo referências às suas ferramentas e outros ótimos artigos.




 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.