Construindo um negócio verde: lições de startups de sustentabilidade

A sustentabilidade tornou-se imperativa. Há uma década, reduzir o impacto ambiental era apenas um “bom ter” para as organizações. Hoje, os líderes enfrentam uma pressão cada vez maior de funcionários, clientes e investidores para agir de forma decisiva em questões ambientais. Mas isso também representa uma enorme oportunidade de negócios. Em todo o mundo e em todos os setores, as empresas emergentes de tecnologia climática estão mudando o jogo quando se trata de como as organizações podem e devem abordar a sustentabilidade. Então, o que as empresas estabelecidas podem fazer para não serem deixadas para trás? Aqui estão alguns “imperativos” de startups de sustentabilidade, disruptores de tecnologia climática:

  • definir um “norte”: uma visão de sustentabilidade ousada que os diferencia

  • focar no talento e na cultura

  • flexibilizar seu modelo operacional, com líderes modelando uma mentalidade experimental ousada

  • adotar uma abordagem ágil ao capital de risco, sabendo que a comercialização de produtos e serviços não acontecerá da noite para o dia

Tomando os seguintes passos

  • genuinamente motivado por propósito e paixão

  • profundo conhecimento tecnológico com ousada aspiração futura

  • tecnologia transversal, ou seja, complementaridade e parcerias

  • forte empoderamento e assumir riscos

  • testar e tentar a uma velocidade vertiginosa

E muito mais.

Clique na imagem abaixo para ver o artigo completo da McKinsey&Co.



 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.