top of page

Clima e Comércio: Destaques após a 13ª Conferência Ministerial da OMC (MC13) em Abu Dhabi.

Hoje é quarta-feira, 6 de março de 2024.


Há cerca de uma semana publicamos sobre a intenção da Índia de levar o Carbon Border Adjustment Mechanism (CBAM) da União Europeia (UE) à Organização Mundial do Comércio (OMC), durante a sua 13ª Conferência Ministerial (MC13) que decorreu de 26 de fevereiro a 2 de março de 2024 em Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos.


Relacionadas com o impacto das alterações climáticas e outros assuntos da OMC, aqui estão partes das declarações de alguns países selecionados, incluindo três insulares, para dar uma ideia das preocupações e posições.


🇮🇳 Índia

"A Índia acredita firmemente que quaisquer medidas tomadas para combater as alterações climáticas, incluindo as medidas unilaterais, não devem constituir um meio de discriminação arbitrária ou injustificável ou uma restrição disfarçada ao comércio internacional. Além disso, a OMC não deve negociar regras sobre assuntos não relacionados com o comércio, como mudanças climáticas, questões de gênero, trabalho, etc., que devem antes ser abordados nas respectivas organizações inter-governamentais."


🇧🇷 Brasil

“No entanto, não conseguimos enfrentar os desafios mais críticos da OMC: a necessidade de reformas e modernização; a paralisia do Dispute Settlement Body; e um fracasso de longa data na obtenção de resultados nas questões prioritárias dos países em desenvolvimento. O Brasil, como país em desenvolvimento, busca uma OMC fortalecida e moderna que integre plenamente em sua agenda a perspectiva do desenvolvimento sustentável em suas três dimensões: ambiental, econômica e social. Para superar os desafios do nosso tempo, precisamos de uma transformação tecnológica e econômica justa e inclusiva que incorpore plenamente os países em desenvolvimento. Para atingir esse objetivo, é fundamental contar com um sistema comercial multilateral renovado. Nesse sentido, a OMC precisa estar pronta para lidar com um cenário global em rápida mudança, ao mesmo tempo em que é capaz de abordar questões de amplo alcance econômico e de impacto social que foram sistematicamente deixados para trás, como a agricultura."


"Somos um grupo diversificado de economias e enfrentamos novos desafios – como o agravamento da crise climática, a rápida mudança tecnológica e o aumento da desigualdade. Mas também temos a oportunidade de aproveitar novas oportunidades, juntos. Usar o comércio como uma força para o bem. Garantir que os benefícios do comércio cheguem a mais pessoas. Adaptar, modernizar e reformar a OMC para melhor. A reunião desta semana é a primeira verdadeira reunião ministerial dedicada a discutir o que precisa ser feito para concretizar esta visão. ... O comércio não pode resolver todos os nossos problemas, mas a OMC tem um papel importante a desempenhar na definição do nosso futuro."


🇨🇳 China

"O mundo em que vivemos enfrenta uma recuperação econômica lenta, um crescimento comercial lento e desafios globais cada vez mais intensos, tais como crises alimentares, alterações climáticas e divisões no desenvolvimento. ... "Que soluções pode a OMC oferecer?" ... Precisamos garantir que todos os Membros e grupos sociais obtenham a sua parte do crescimento econômico global de uma forma que seja proporcional aos recursos e trabalho que investem. ... A OMC reduziu a sua previsão de crescimento do comércio global em 2023 para 0,8%, e o Banco Mundial estimou que o crescimento global em 2024 poderá desacelerar pelo terceiro ano consecutivo para 2,4%. Para inverter esta tendência, duas palavras-chave merecem a nossa atenção: digital e verde."


"Vivemos um momento de grande incerteza... três quartos do comércio mundial ainda ocorre nos termos da OMC... Sem essas regras multilaterais, teríamos um mundo muito diferente... O mundo mudou. E instituições como a OMC também precisam evoluir. Mas isso não significa que sejam obsoletas. Pelo contrário. É precisamente por isso que precisamos avançar na tão necessária reforma da OMC. ... precisamos trabalhar juntos para resolver o sistema de Dispute Settlement ... as regras comerciais precisam acompanhar as realidades do mundo de hoje. Um excelente exemplo é a necessidade de regras atualizadas sobre subsídios industriais, inclusive no contexto do clima e da sustentabilidade."


🇲🇺 Mauritius

"Como um pequeno Estado insular em desenvolvimento, as ilhas Mauritius enfrentam restrições inerentes, como a distância dos principais mercados, conexão e elevados custos de frete. A urgência climática e os desafios recentes, incluindo a inflação elevada e uma crise energética crescente, agravam ainda mais estas dificuldades. ... Mauritius é um Net-Food Importing Developing Country (NFIDC) isolado dos seus mercados primários. Dependemos fortemente do sistema comercial para alcançar a nossa segurança alimentar."


"As Ilhas Salomão são um país costeiro e geograficamente disperso, com mais obstáculos na conectividade física aos mercados. Os nossos sistemas são frágeis e estamos vulneráveis. Basta um único desastre natural ou uma crise global de qualquer magnitude para provocar consequências irreparáveis ​​para as Ilhas Salomão e anos de retrocesso dos ganhos de desenvolvimento sustentável na eliminação da pobreza e no progresso já atingido com Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)."


🇸🇨 Seychelles

"Atualmente, riscos e incertezas permeiam a nossa paisagem global; o mundo está às voltas com uma série de crises, desde tensões geopolíticas a crescentes endividamentos, todas exacerbadas pelos efeitos devastadores das alterações climáticas que as Seychelles, como um pequeno estado insular em desenvolvimento, tem sido especialmente afetado. As Seychelles podem ser apenas um pequeno grupo de ilhas no meio do Oceano Índico, mas também fazem parte dessa aldeia global e sentem todo o impacto destas crises, até mais do que a maioria."



Se você estiver interessado em ler o que o representante do seu país disse na 13ª Conferência Ministerial da OMC, clique na imagem abaixo para ver a lista completa com cerca de 150 breves declarações.


Incluído no pacote de documentos finais sob a responsabilidade da Trade and Environmental Sustainability Structured Discussions (TESSD), há esta interessante compilação de experiências e considerações dos países sobre a concepção de subsídios agrícolas, inclusive relacionados com a economia de baixo carbono. São indicadas experiências nas seguintes regiões: Austrália, Brasil, Costa Rica, União Europeia, Israel, Japão, Paraguai, Reino Unido, Uruguai, além de Canadá, China, Noruega, Suíça e Estados Unidos sobre ações de economia de baixo carbono.


Os membros da OMC também estão trabalhando na reforma dos subsídios aos combustíveis fósseis para intensificar os esforços de transição. "O apoio governamental aos combustíveis fósseis quase duplicou em 2022... para mais de 1,4 biliões de dólares... A eliminação progressiva dos subsídios aos combustíveis fósseis que não abordam a pobreza energética nem transições justas é um esforço importante quanto aos objetivos de ações climáticas… a OMC identifica o comércio como uma força relevante no progresso rumo ao desenvolvimento sustentável."


Por último, citamos um parágrafo do documento principal do MC13, a Declaração Ministerial de Abu Dhabi adoptada em 2 de Março de 2024:

"Ao recordar os objetivos do Acordo de Marrakesh e ao reconhecer o papel que o sistema comercial multilateral pode desempenhar na contribuição para a realização da Agenda 2030 da ONU e dos seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis, na medida em que se relacionam com o mandato da OMC, sublinhamos a importância do comércio e do desenvolvimento sustentável nos seus três pilares – econômico, social e ambiental."




Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating

 CARBON CREDIT MARKETS

“Nothing in life is to be feared, it is only to be understood. Now is the time to understand more, so that we may fear less.”

“I am among those who think that science has great beauty”

Madame Marie Curie (1867 - 1934) Chemist & physicist. French, born Polish.

bottom of page