top of page

Agricultura do Carbono, Estudos: Como o Setor pode ser Parte das Soluções para as Mudanças Climáticas.

Hoje é quinta-feira, 11 de julho de 2024.


“O carbono deixou de ser uma força benevolente, um protetor do sistema terrestre num estado estável, mas agora está a ser liberado e aumentando na atmosfera. Está se tornando um destruidor”, disse o cientista climático Will Steffen no instigante filme “Carbon: The Unauthorised Biography”.


A agricultura também parece desempenhar um papel fundamental, apesar de grande parte do aumento da concentração atmosférica de CO₂ provir da combustão de combustíveis fósseis.


Artigo recente da Nature faz referência a estudos que basicamente indicam isso. E acrescenta também que o carbono orgânico do solo foi drasticamente esgotado pelas práticas agrícolas intensivas em todo o mundo para alimentar a população crescente.


De fato, se no início da era industrial a população global rondava os 800 milhões, existem hoje em dia 10 vezes mais pessoas para alimentar.


Além desse crescimento, também é interessante observar como a oferta diária de calorias por pessoa evoluiu ao longo do tempo. Veja por exemplo este gráfico do Our World in Data, onde você pode selecionar seu país ou região e ver por si mesmo. A média global, por exemplo, aumentou de 2.181 kcal para 2.940 kcal apenas nos últimos 60 anos.


Ou seja, são também tempos para dar toda a atenção ao carbono orgânico do solo e expandir o potencial da agricultura como sumidouro de carbono.


Desde os tempos antigos, a prática de cultivar o solo revolvendo sua matéria orgânica e nutrientes, levando a colheitas abundantes, pode também estar levando à sua exaustão ao longo do tempo. Independentemente do uso de fertilizantes. Esse processo degrada o solo, incluindo o sistema radicular das culturas e gramíneas, provocando a libertação de CO2 na atmosfera. Sem mencionar outros riscos, como a erosão.


Uma forma de potencialmente manter esse carbono no solo é rever essa lavoura, dependendo do clima e dos tipos de solo. “Em vez de revirar grandes quantidades de solo para plantar sementes ou mudas, os agricultores poderiam utilizar equipamentos que criam um canal estreito ou um buraco onde a semente ou muda pode ser plantada. Os resíduos da safra anterior – restolho e talos, por exemplo – ficam no solo e na superfície. A ideia é que isso reduza a perturbação da estrutura do solo e deixe mais carbono orgânico do solo no próprio lugar.”


Outro processo interessante citado é chamado de intemperismo aprimorado. “Um estudo de quatro anos, publicado em fevereiro, sobre a enorme região do cinturão do milho dos Estados Unidos, descobriu que a aplicação de basalto triturado em campos de milho e soja estava associada ao sequestro de 10 toneladas extras de CO2 por hectare por ano, ao mesmo tempo que aumenta o rendimento das colheitas em 12–16%”.


Chegando ao fim, o artigo também discute a quantidade limite de carbono que uma área de terra pode sequestrar.


“Em 2100, a capacidade de absorção [de carbono] da terra é de cerca de 150 a 160 gigatoneladas de carbono, e outra da mesma quantidade para as árvores”, diz um cientista do solo do Lal Carbon Center da Ohio State University.


“A agricultura pode ser parte da solução”, acrescenta.


Clique na imagem abaixo para ver este artigo completo da Nature “How farming could become the ultimate climate-change tool”. Inclui 13 referências com links para grandes estudos científicos relacionados a todos esses temas e vários outros.


E aqui para a “fértil” lista de artigos de Carbon Credit Markets relacionados à agricultura.




Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating

 CARBON CREDIT MARKETS

“Nothing in life is to be feared, it is only to be understood. Now is the time to understand more, so that we may fear less.”

“I am among those who think that science has great beauty”

Madame Marie Curie (1867 - 1934) Chemist & physicist. French, born Polish.

bottom of page