Tokens e instrumentos de criptografia de terceiros: consulta pública sobre a abordagem da Verra

Créditos de carbono. Verra estendeu até terça-feira, 1º de novembro de 2022, o prazo para sua consulta pública sobre sua proposta de abordagem para instrumentos e tokens de criptomoedas de terceiros.


Lembrando, Verra está realizando esta consulta, considerando a urgência de construir uma estrutura legal e de procedimentos adequados para organizar a criação, marketing e uso de instrumentos e tokens criptográficos. Como normatizadora, a Verra espera aprimorar sua estrutura, nomeando alguns riscos potenciais como fraude, integridade ambiental, insegurança regulatória e jurídica e anonimato de entidades .


Além disso, na quinta-feira, 13 de outubro de 2022, Verra realizará um webinar sobre a consulta pública. Durante o webinar, Robin Rix, Diretor Jurídico, de Políticas e Mercados, e Benoît Clément, Diretor de Inovação Financeira, darão uma visão geral da consulta e responderão a perguntas.


Vale a pena consultar nosso post de 22 de agosto "Créditos de carbono: status de blockchain e tokenização". Em maio, Verra anunciou a suspensão da tokenização de blockchain e cripto e sugeriu que estaria se concentrando em um “sistema fechado e proprietário” para registrar créditos de carbono, o que levou a críticas da comunidade ReFi e blockchain. Clique aqui para ler novamente o artigo que, por sinal, está repleto de ótimas referências.


A consulta pública que agora está sendo estendida estava prevista para terminar na última sexta-feira, 30 de setembro, coincidentemente na mesma data em que publicamos o relatório da Casa Branca (sim, governo dos EUA!) "Implicações climáticas e energéticas de criptoativos nos Estados Unidos". Relembre aqui.


Clique na imagem abaixo para o convite da Verra para o webinar (#CarbonCreditMarkets já estamos inscritos !), incluindo um link para esta importante consulta pública.



 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.