McKinsey & Co: Visualizando o futuro net zero com oito gráficos

Governos e organizações de todo o mundo estão se comprometendo a combater as mudanças climáticas, e parece que um futuro de emissões net zero está se aproximando. Mas o que será necessário para chegarmos lá e como a transição afetará a economia mundial? Explore oito gráficos que detalham as oportunidades e riscos associados.


  1. Enfrentar as mudanças climáticas exige grandes compromissos – e recursos financeiros – de países e empresas.

  2. A demanda por produtos e serviços verdes está crescendo fortemente em categorias como energia e materiais, veículos, alimentos e embalagens.

  3. A indústria global de energia está avançando na redução das emissões de gases de efeito estufa, trocando a geração de energia por combustíveis fósseis por fontes de energia renovável, como eólica e solar.

  4. Embora a taxa de adoção de veículos elétricos (VE/EV) tenha variado em todo o mundo, dependendo da pressão regulatória regional e do interesse do consumidor, uma transformação está em andamento.

  5. Produtos com baixo teor de carbono, incluindo aço, alumínio reciclado, plástico reciclado e baterias, podem ser direcionados para a escassez de oferta na Europa, à medida que a demanda por materiais mais verdes continua a crescer.

  6. As carteiras imobiliárias podem enfrentar riscos durante uma transição líquida zero. Os riscos físicos podem ser devidos a edifícios expostos a tempestades, inundações, incêndios e calor extremo.

  7. Uma realocação de mão de obra em toda a economia pode resultar da transição para net zero. Cerca de 200 milhões de empregos diretos e indiretos podem ser gerados e 185 milhões podem ser perdidos até 2050, de acordo com nossa análise do cenário “NGFS Net Zero 2050” (https://www.ngfs.net/ngfs-scenarios-portal).

  8. Os efeitos das mudanças climáticas podem afetar a população global de forma desigual.


Clique na imagem para acessar o artigo.




 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.