top of page

Estudo: Aceleração do aquecimento climático e dinâmica das plantas na Antártica.

Hoje é quinta-feira, 4 de janeiro de 2024.


O forte aquecimento do ar entre as décadas de 1950 e 2016 na região da Península Antártica excedeu o aquecimento médio global, com impactos evidentes nos ecossistemas terrestres.


Uma pesquisa recente descobriu que à medida que a temperatura sobe, duas plantas nativas da Antártida estão se espalhando rapidamente, inclusive por suas caraterísticas particulares.

A grama ou erva-doce da antártica (Deschampsia antarctica) se espalhou cinco vezes mais rápido entre 2009 e 2018 do que entre 1960 e 2009.


E a erva-pérola antártica (Colobanthus quitensis) aumentou quase dez vezes mais.


De acordo com o estudo, que fornece um dos registos mais longos de alterações na vegetação na Antártida já realizados, o principal fator da mudança é o aquecimento do ar no verão. Experimentos de aquecimento in situ também confirmaram maior alocação de biomassa para maior ganho de carbono foliar dessas duas espécies, devido à maior assimilação fotossintética. Estas características sugerem que o aquecimento futuro aumentaria o crescimento vegetativo destas espécies.


Uma razão secundária é que há menos focas na ilha, que normalmente pisoteiam as plantas. Não se sabe o porque dessa redução, mas é provável que isso esteja relacionado com mudanças na disponibilidade de alimentos e nas condições do mar.


O relatório também menciona que na Antártica vários estudos relataram respostas bióticas e abióticas (1) ao aumento da temperatura do ar nos ecossistemas terrestres e marinhos, mas nenhum ainda havia relatado uma aceleração, em particular após o curto e forte resfriamento que ocorreu no início dos anos 2000. O “pulso” climático, o forte arrefecimento do ar detectado em 2012 não pareceu influenciar a dinâmica da comunidade vegetal nesta ilha. E depois de 2012, o aquecimento climático foi retomado com tendência acelerada.


Esta tendência de uma dinâmica acelerada das plantas está de acordo com evidências relatadas no Hemisfério Norte:


  • Forte aumento na variedade de espécies vegetais nos cumes das montanhas em toda a Europa em resposta ao aquecimento climático, com um aumento de 5 vezes maior entre 2007–2016 em comparação com 1957–1966;

  • Avanços na fenologia (2) das plantas em resposta ao aquecimento climático na América do Norte e na Europa, com impactos mais intensos em latitudes mais elevadas, acima de 60 N.


Clique na imagem abaixo para ler "Acceleration of climate warming and plant dynamics in Antarctica" incluindo referências aos estudos acima mencionados.


O estudo foi conduzido na Ilha Signy, no Arquipélago Orkney do Sul, por um grupo de cientistas da Universita` degli Studi dell’Insubria, Universita` degli Studi di Torino, British Antarctic Survey e University of Johannesburg.


(1) Os fatores bióticos são seres vivos dentro de um ecossistema; como plantas, animais e bactérias, enquanto abióticos são componentes não vivos; como água, solo e atmosfera.


(2) Fenologia. O estudo dos fenômenos naturais cíclicos e sazonais, especialmente em relação ao clima e à vida vegetal e animal.




 CARBON CREDIT MARKETS

“Nothing in life is to be feared, it is only to be understood. Now is the time to understand more, so that we may fear less.”

“I am among those who think that science has great beauty”

Madame Marie Curie (1867 - 1934) Chemist & physicist. French, born Polish.

bottom of page