top of page

Diário COP28, 6 de dezembro de 2023 (Parte 1), Especial Carbon Credit Markets.

Notícias de Dubai. Um dia a ser dividido em dois.


Antes de começar.

Amanhã é recesso na COP28, o que significa que seu local estará basicamente fechado para a grande maioria dos participantes. Obviamente, para não atrasar os principais resultados, existem alguns grupos que se reunirão excepcionalmente.


Devido a este recesso de um dia e tendo em conta que o dia de hoje foi muito intenso, iremos dividir seu conteúdo em dois: parte 1 hoje e parte 2 amanhã.


Parte 1


  • The role of the private sector, innovation and technology in the first Global Stocktake

  • Report of the Executive Committee of the Warsaw International Mechanism for Loss and Damage associated with Climate Change Impacts - Informal Consultation - SBI 13 (a) / SBSTA 4 (a)

  • Global Stocktake - Contact Group - SBI 8 / SBSTA 5

  • European Union Press Conference


Parte 2


  • USA: Special Presidential Envoy for Climate John Kerry COP 28 Press Conference

  • WIPO, UNCCD: Innovative technologies in mitigation and land restoration: Finding solutions for accelerated uptake” (WIPO = World Intellectual Property Organisation)

  • Greenpeace: Taking Oil to court: Greenpeace vs State of Norway

  • University of Oxford, SFU, WBCSD, VUW, WUM: What does ‘Net Zero emission’ need to mean to meet the goals of the Paris Agreement


Aparentemente bastante para um dia, não? Então, Parte 1 por enquanto. Aqui vamos nós.


O dia.

“Tenho visto você por aí”. Foi o que ouvimos do responsável pelas principais conferências de imprensa da COP28, com quem nos encontramos por acaso hoje muito cedo. Ótimo bate-papo rápido. Agora ele sabe de onde viemos. Boa pessoa. Vestindo terno e tênis verde escuro, em perfeita combinação com os tons da COP28.



The role of the private sector, innovation and technology in the first Global Stocktake”, elaborando o Global Stocktake (GST) divulgado há algum tempo, e sendo atualização agora na COP28.


Panelistas: Jason Williams (Citi citi.com), Brendan Oviedo Doyle (Asociación Peruana de Energías Renovables www.spr.pe), Sarah Penndorf (Google google.com), Kathleen Govaerts (Belgium) e Rei Goffer (Tomorrow.io). Com moderação da Anna Krupp (UN Global Compact unglobalcompact.org)


A abertura do painel foi feita pelo Sr. Madr Jafar, Representante Especial da COP28 para Negócios e Filantropia e CEO da

. “O capital público não será suficiente”. As alterações climáticas exigem um rápido desenvolvimento humano e tanto o setor privado quanto a filantropia são os principais facilitadores e catalisadores. E devem trabalhar em conjunto com os governos. “Parece uma obrigação global, mas na verdade é uma grande oportunidade”.


Aqui citações interessantes:

  • (Jay) “Setor privado. Cada vez mais empresas passam da necessidade de agir para a vontade de agir”. Mas criticou os países em que as NDCs foram escritas sem consultas setoriais, sem segmentação / alocação. Isto leva a um problema de credibilidade e à falta de clareza sobre onde o dinheiro precisa ser gasto, se em tecnologia ou em créditos de carbono, por exemplo. Bons pontos.

  • (Brendan) “É tudo uma questão de preços / subsídios. O preço é importante”. (Jay concordou com a cabeça).

  • (Jay) A granularidade setorial dos NDCs é importante para o setor privado, para planejamento e políticas. E o papel do governo pode ser de apoio ou de controle (de “assopra ou morde”). Como exemplos, o IRA dos Estados Unidos e o CBAM europeu, respectivamente. A tecnologia já está aí. “Viável em 7 a 10 anos. Mas precisamos delas agora. E agora sabemos que podemos fazer. Mas seremos capazes em alguns anos?

  • (Sarah) Google ajudando com informações melhores e mais acessíveis. Deu o exemplo do Projeto Green Light. Dê uma olhada. Também na opinião dela, uma empresa individual que se torna net zero “não move uma palha”. Os governos têm um papel fundamental multiplicador.


Ao final do painel, Anna sugeriu dar uma olhada em uma espécie de roteiro do Global Stocktake, que estava pintado na parede. Gravamos para você, vídeo abaixo.




Então por conta do tema Loss and Damage, corremos para participar da reunião Report of the Executive Committee of the Warsaw International Mechanism for Loss and Damage associated with Climate Change Impacts - Informal Consultation - SBI 13 (a) / SBSTA 4 (a). Infelizmente, sem maiores explicações, a reunião foi cancelada de última hora, quando várias pessoas já aguardavam no plenário. Ao sair da sala, encontramos uma pequena cafeteria bastante aconchegante (algo raro por aquí), mas cara (isso é normal): AED 10 por uma Mirinda (refrigerante) + AED 10 por um croissant (café da manhã tardio). E provavelmente devido à tranquilidade do local, havia claramente várias delegações fazendo seu trabalho de casa. Em grupos.


Para sua informação SBI = Órgão Subsidiário de Implementação e SBSTA = Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico e Tecnológico. De acordo com a UNFCCC, “O SBSTA e o SBI trabalham juntos em questões transversais que afetam ambas as suas áreas de especialização. Estas incluem a vulnerabilidade dos países em desenvolvimento às alterações climáticas e às ações de resposta”.



Depois, com tempo para aquela pequena pausa, fomos para o plenário Global Stocktake - Contact Group - SBI 8 / SBSTA 5”. Muitas pessoas com o crachá “Observer”tentando entra na sessão, mas não: apenas crachás “Party (Overflow)” ou mais. Estou dentro.


A sessão durou cerca de uma hora e meia e foi espetacular. Não divulgaremos conteúdos nem países envolvidos, mas vale a pena compartilhar a dinâmica com vocês.


Na tela foi projetado um slide com 3 parágrafos (11 linhas), basicamente resumindo as extensas discussões dos dias anteriores. O propósito é a aprovação final por centenas de países. Delegados dos países pedem a palavra. Alguns elogiam, outros indicam discordância. Depois de algum tempo, o copresidente indica que a “reunião está suspensa por alguns minutos”. Logo a seguir, os delegados dos países levantam-se e começam a reunir-se em torno de um deles, que provavelmente tem uma sugestão de solução. Esta situação demora mais de 30 minutos, quando a reunião é reiniciada. Depois outra versão revisada dos 3 parágrafos (agora com 15 linhas). Outro país pede a palavra e tem dúvidas. Após esclarecimentos adicionais – desta vez em plenário aberto – está tudo resolvido. E texto endossado por todos os países. Tudo isso de forma extremamente respeitosa. É bom ver no final que aqueles países que inicialmente estavam em desacordo ou com dúvidas agradecem os esforços daqueles que lideraram as soluções. Respeito entre as diferenças.




No meio da tarde, mas ainda com muita coisa acontecendo, fomos ao European Union Press Conference. Com Teresa Ribera (Presidency of the EU Council) e Wopke Hoekstra (European Commission)


Aqui o que eles disseram:

  • (Hoekstra) Muita coisa foi feita. Mas muito mais precisa ser feito. “A ciência é clara”. “Quero que esta COP marque o início do fim dos combustíveis fósseis”. “Precisamos nos livrar dos combustíveis fósseis”. “A transição tem que acontecer agora. E mais rápido.”

  • (Teresa) Resiliência humana e investimentos sustentáveis. “Todo financiamento deve ser à prova do clima”. “Precisamos mudar a lógica que está sendo aplicada agora”. Desde o Acordo de Paris, quantos bilhões foram investidos em energias NÃO renováveis? O acesso à água doce também é uma mensagem crítica desta COP.


Em seguida, Q&A com a imprensa. Aliás, vale a pena comparar com a do Brasil que postamos ontem. Existem perguntas semelhantes, mas com respostas de perspectivas diferentes.


Q) (Reuters) Críticas ao CBAM

A) (Hoekstra) Não acredito que seja um problema importante. Alinhado com ETS. E mercados de carbono. Muitas conversas com a América Latina e a África sobre suas oportunidades.


Q) (Newswire) Global Stocktake, países contra o Pacote de Energia Renovável.

A) (Teresa) esperamos que a Presidência da COP lidere o processo.


Q) (AP) Impostos sobre carbono. Países que vão à OMC.

A) (Hoekstra) “Estamos confiantes de que é um instrumento que cria condições de concorrência equitativas.”


P) (Business Week) Reforma dos bancos multilaterais?

A) (Teresa) É verdade. Mas para esse tema a COP é o lugar “apenas para enviar sinais”.


P) (mídia) Subsídios aos combustíveis fósseis continuarão?

A) (Hoekstra) “Precisamos eliminar gradualmente os combustíveis fósseis antes que fervam a nossa Terra”.


P) (S&P Global) CBAM. A China é muito crítica. Como resolver essa polarização?

A) (Hoekstra) Temos que manter o diálogo aberto.


Fim da Conferência de Imprensa. Pontualmente. Como foi no início. Outro sinal de respeito com todos os envolvidos e interessados.


Terminamos a Parte 1 aqui. Amanhã completamos este longo diário de 6 de dezembro de 2023, com os 4 tópicos da Parte 2 indicados acima. E incluindo as seções“Antes de encerrarmos o dia”, “Pessoas e paparazzi” e “Our key takeaways”.


Unite.Act.Deliver.



COP28 Meeting Scene. Photo by CarbonCreditMarkets
COP28 Meeting Scene. Photo by CarbonCreditMarkets

 CARBON CREDIT MARKETS

“Nothing in life is to be feared, it is only to be understood. Now is the time to understand more, so that we may fear less.”

“I am among those who think that science has great beauty”

Madame Marie Curie (1867 - 1934) Chemist & physicist. French, born Polish.

bottom of page