Deloitte: para muitos Comitês de Auditoria, o clima ainda não é um item essencial da agenda

Segundo estudo da Deloitte (clique aqui para acessá-lo) uma razão para a falta de conhecimento climático nos Conselhos e, mais especificamente, pelos membros do Comitê de Auditoria, pode ser a escassez de informações – uma questão que está sendo sentida de forma mais aguda nos Estados Unidos. Menos da metade (46%) dos entrevistados nos Estados Unidos concorda que o comitê de auditoria “tem as informações, recursos e mandato para cumprir suas responsabilidades regulatórias em relação aos riscos climáticos e metas de redução de carbono”. “Ameaças sistêmicas mal aparecem nas agendas das reuniões do comitê de auditoria, e parece haver pouca apreciação do impacto que as mudanças climáticas terão no modelo de negócios e na estratégia de longo prazo da empresa”, diz Kerrie Waring, CEO da International Corporate Governance Network, que promove padrões globais de governança corporativa e administração de investidores. Talvez membros dos Conselho consigam agregar mais valor se insistissem em metas e marcos mensuráveis. Os padrões globais de relatórios de sustentabilidade estão agora sendo desenvolvidos pelo International Sustainability Standards Board (ISSB) da Fundação IFRS, anunciados na COP26. Mas as iniciativas de relatórios globais, como a Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) e o Conselho de Padrões de Contabilidade de Sustentabilidade (SASB) já estão ajudando as empresas a incorporar questões climáticas em seus negócios e medir e relatar o progresso e o desempenho. Clique na imagem para saber mais em matéria do WSJ e Deloitte.




 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.