De olho no bilionário mercado de créditos de carbono brasileiro

Nem bem completou oito meses de fundação e já sai a primeira Fusão e Aquisição (M&A em inglês) da Future Carbon, empresa que se auto-entitulada "A primeira holding full-service de carbono do Brasil" (clique aqui para matéria de algumas semanas atrás da BrazilJournal). A Future Carbon adquiriu a Jataí Capital e Conservação, companhia que desenvolveu uma metodologia que amplia mercado de carbono a pequenos e médios produtores. Segundo o presidente da Jataí, dependendo de uma série de fatores como câmbio e valor do carbono no mercado internacional, a nova metodologia permite a geração de créditos de carbono por produtores rurais de diversos tamanhos, que já tenham áreas preservadas por conta da legislação ambiental brasileira (alguém conhece algum outro país de dimensões continentais que tenha algo semelhante ?). Segundo o mesmo, "pegamos metodologias que já existiam e juntamos o método que o governo brasileiro utiliza para calcular a remoção de carbono em áreas protegidas para aplicar a quem faz conservação de áreas menores e privadas”. Show ! Conforme publicamos recentemente nesse blog, o mercado brasileiro de M&A para empresas que trabalham com créditos de carbono anda bastante agitado. Acrescente-se a Reservas Votorantim, que vai começar a vender créditos de carbono de suas florestas e a startup Moss, que compra e revende créditos, inovando e atuando de forma direta para clientes como Gol, Cia Hering, iFood, dentre outras. Ou seja, a Future Carbon não é a única olhando para oportunidades desse mercado. Clique na imagem abaixo - mapa com o banco de áreas verdes pela Jatai - para ler matéria completa na NeoFeed.



 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.