A próxima grande fronteira para energia renovável pode estar debaixo d'água

Quando se fala em geração hidroelétrica, subentendem-se locais com fluxo de água em desnível natural ou através de enormes represas criadas artificialmente. Na verdade, é o fluxo natural da água que permite a geração de eletricidade. Quedas d’água e represas apenas potencializam isso.


Pois se os antigos já usavam moinhos d’água, porque não desenvolver tecnologia para fazer o mesmo, de forma moderna?


Pois é isso que uma série de empresas e projetos estão fazendo: geração de energia diretamente no leito de rios ou a partir das correntezas marítimas. Veja abaixo algumas idéias sendo desenvolvidas.

  • Ocean Renewable Power Company (ORPC), empresa de energia renovável marinha dos Estados Unidos, que desenvolve tecnologias que geram eletricidade a partir de correntes marítimas, fluviais e oceânicas.

  • Aquantis, também dos Estados Unidos, desenvolve e comercializa turbinas de corrente marítima, para geração de energia oceânica.

  • Sharks (além de significar “tubarão” em inglês, é um acrônimo) Submarine Hydrokinetic And Riverine Kilo-megawatt Systems, Turbinas Hidrocinéticas (HKT) para correntes de maré e ribeirinha, especialmente para comunidades remotas sem conexões à rede elétrica.

O custo ainda é o problema, mas deve cair gradualmente, como já aconteceu com a energia eólica, por exemplo.

Clique na imagem abaixo para ver vídeo do World Economic Forum a respeito de tudo isso (em inglês). Vale também rever nosso post “Wave Line Magnet”: o conversor de energia das ondas”.


 CARBON CREDIT MARKETS

« … car rien ne se crée, ni dans les opérations de l’art, ni dans celles de la nature, et l’on peut poser en principe que, dans toute opération, il y a une égale quantité de matière avant et après l’opération ; que la qualité et la quantité des principes est la même, et qu’il n’y a que des changements, des modifications. »

Antoine-Laurent De Lavoisier 1789, Traité élémentaire de chimie.